#PELAINOTÍCIA: BRASIL GAME SHOW 2017 - #PART2

Só vem 2018!
E aí, gente. Tudo belezinha?
Sei que estamos há alguns dias sem postar texto, mas volta de viagem acabou me complicando tudo. (risos). Conforme prometido, vou trazer a segunda parte de como foi a Brasil Game Show 2017, ou como vocês sabem, a #BGS10.
Antes de começarmos preciso agradecer imensamente a toda equipe da BGS pela recepção, tratamento comigo e pela experiência que eu tive lá dentro. Sempre ouvi falar da BGS, mas nunca tinha visto de perto. Fico muito feliz por ter feito parte, nem que seja pouco, desses 10 anos de existência. Brasil Game Show a gente se vê em 2018, certo? <3
Agora sim, vamos para o segundo dia.
Lembram quando eu falei de uns computadores sensacionais que eu tinha visto? Então, fui me aprofundar um pouco mais. A marca Rawar, fabricante nacional de desktops de alto desempenho e acessórios de microinformática em geral, estreou no mercado de jogos eletrônicos e apresentou sua primeira linha de desktops. Com diferentes opções de cores, modelos e funcionalidades, os hadwares possuem componentes internos fornecidos por conceituadas marcas do segmento, como Intel, Nvidia, Asus, Gigabyte e HyperX, o que eleva a qualidade e o performance dos equipamentos. Massa né?
Eles ainda tinham deixados exposto lá na #BGS10 uma exclusividade, uma máquina equipada com o processador i9, da Intel, a primeira no Brasil. Fala sério, está demais gente, sério!
Eu quero!! Será que é pedir muito?
Dos vários modelos gostei muito da Destroyer, que é uma máquina de guerra completa, projetada com a placa de vídeo mais poderosa do mercado, a GTX1080 TI, da Repluc of Gamming (ASUS). O desktop é equipado com o processador Intel Core i7 7700k, componente perfeito para o gamer overclocking, além de placa mãe H270 Gigabyte. Trata-se do desktop ideal para quem deseja jogar em 4k. Mano, na moral, 4k! Quer conhecer mais sobre a marcar? Clica aqui vai!
Andando ainda pela feira, fomos visitar o pessoal Indie. Aquela galera que faz os jogos nacionais, saca? Lá encontramos o Alexandre de Araújo, da empresa Crazzy Arcade, que faz fliperama há 10 anos.
Mãe, quero um fliperama, me dá?
Pra você entender melhor fliperama são aquelas máquinas de jogos que tinham antigamente em locadoras e bares. E sem pretensão ele foi fazer pro filho dele e acabou virando profissão. Além dos tradicionais, Alexandre faz o “controle” do fliperama para os vídeo games mais novos como PS2, PS3, Xbox 360 e Xbox One. Massa né? Quem quiser voltar tempo com os fliperamas é só procurar o Alexandre que ele poderá te ajudar.  Oh, clica aqui pra achar o Alexandre!
É em novembro o lançamento, hein?!
Logo depois de matar a saudade do fliperama, fomos conhecer o jogo Jonh The Zobie, que é cientista louco que acabou virando um zumbi por acidente e tenta achar cura. Só que nesse processo ele precisa ir ganhando a inteligência humana de novo e para isso tem que comer os cérebros das pessoas. Porém as outras pessoas vão se tornando zumbis. Foda né? Esse é o melhor diferencial do jogo, pois ao invés do jogo ser o personagem virando zumbi, ele é um zumbi que quer virar humano. Puta sacada né? Ah, se você ficou curioso ele vai ser lançado em novembro. Oh, clica aqui pra ficar por dentro do jogo, certo?

Olhem só a alegria da criança!
 E para finalizar a minha total alegria, adivinhem quem eu encontrei? Ele, o Plamito, digo, Danilo Gentili. Velho, ele estava lá pra falar do novo filme dele, “Como se Tornar o Pior Aluno da Escola”, que teve a participação de Carlos Villagrán, o Quico do Chaves. Traduzindo, foi demais e no final consegui uma foto.
Então, como vocês podem perceber, a #BGS10 foi demais. Não consigo descrever o sentimento, sério.
Abaixo vocês vão conferir algumas fotos. Não se esqueçam de seguir minhas redes sociais, ok?
Grande abraço e follow-me!

@Lucaspelai

#TamoJunto
Fotos: Lucas Pelai / Divulgação
#BGS10 – Brasil Game Show




Tinha dois Mário, um Luigi, mas não tinha o Superman.
É a Supergirl, vei!


Comentários